The aftermath of the Brumadinho dam collapse on 25 January 2019 in the state of Minas Gerais, in Brazil. Photo: Jornalistas Livres/Corpo de Bombeiros de Minas Gerais

Vale deve ser responsabilizada pelo desastre da barragem no Brasil

28.01.2019

A Vale deve ser responsabilizada, dizem os sindicatos globais, IndustriALL Global Union e a Internacional dos Trabalhadores da Construção e Madeira (BWI), uma vez que centenas podem ser vítimas por terem morrido como resultado do colapso de uma barragem em Brumadinho, no estado de Minas Gerais, Brasil, em 25 de janeiro.

"Isto é um crime, não um acidente. Lamentamos os mortos e nos solidarizamos com as vítimas desta terrível tragédia.  A Vale não conseguiu aprender com o passado. E agora seus trabalhadores estão pagando o preço final com suas vidas. Não pode existir mais pretextos. É hora de a Vale ouvir e tomar medidas reais para melhorar a segurança. As autoridades brasileiras devem fechar todas as operações das empresas com barragens de rejeitos até que sejam rigorosamente inspecionadas",

diz o secretário geral da IndustriALL Global Union, Valter Sanches.

Até o momento, pelo menos 60 pessoas foram mortas e centenas ainda estão desaparecidas depois que a barragem de rejeitos operada pela companhia de mineração brasileira, Vale, lançou uma enorme onda de resíduos de minério de ferro.

Esta última tragédia vem depois que IndustriALL e a BWI apresentaram uma queixa na OCDE contra a Vale e a gigante de mineração britânica-australiana, BHP, após o desastre da barragem de Fundão em Mariana, também em Minas Gerais. A falha da barragem de rejeitos em novembro de 2015 custou a vida de 19 pessoas e foi o pior desastre ambiental do Brasil.

A IndustriALL e a BWI exigem uma investigação exaustiva das causas do rompimento da barragem de Brumadinho, que inclui a participação dos sindicatos. Os sindicatos globais também estão pedindo uma consulta imediata com os sindicatos e a sociedade civil sobre a segurança da barragem de rejeitos e uma compensação rápida e justa para as vítimas.

A Vale ignorou as diretrizes da International Council on Mining & Metals (Conselho Internacional de Mineração e Metais) sobre a prevenção de falhas catastróficas nas instalações de armazenamento de rejeitos, liberadas após o colapso da barragem de Fundão. Além disso, não aderiu aos padrões de gestão de barragens de rejeitos definidos pelo padrão IRMA (Multi-Stakeholder Initiative for Responsible Mining Assurance).

A Vale é a maior produtora mundial de minério de ferro, que é convertido por seus clientes em aço, que é parte vital das cadeias de produção da indústria metalúrgica.

"A IndustriALL está convocando todas as empresas das cadeias de produção da Vale, incluindo os produtores multinacionais de aço e automóveis, para compartilhar a responsabilidade por esse desastre e usar sua influência junto à Vale e ao governo do Brasil para garantir que este nunca se repita", acrescenta Sanches.

Ambet Yuson, secretário geral da BWI diz:

"Este trágico acidente poderia ter sido evitado se tivessem sido tomadas medidas quando se revelou publicamente que a barragem de Brumadinho representava um risco de segurança para os trabalhadores e a comunidade. A Vale não aderiu a essas advertências e mais uma vez mostrou seu descaso com a segurança.  Os trabalhadores pagaram tragicamente com suas vidas".